Desesperadas com o desaparecimento de Delfim Venâncio Pinto – comerciante português de 54 anos –, desde 28 de Setembro, no Rio de Janeiro, a mulher e a filha fizeram vários apelos em estações de televisão do Brasil. O homem tinha ido receber 70 mil reais – cerca de 26 mil euros – da venda de um negócio da família e nunca mais foi visto. Na terça-feira, foi finalmente localizado num hotel em Fortaleza. Não foi vítima de qualquer crime – está fugido da família com o dinheiro.



Antes de se hospedar abandonou o carro num parque aquático, dando a entender que fora raptado. A polícia, poucos dias depois do desaparecimento, falou à comunicação social e disse que havia a hipótese de o português ter sido assassinado. Delfim Pinto foi reconhecido por funcionários de um hotel em Fortaleza, que desconfiaram da postura do hóspede e fizeram uma pesquisa na internet: encontraram a foto na página dos Desaparecidos.

A filha do comerciante está revoltada. "Não é homem suficiente para assumir de frente os problemas. E não tinha amor como pai, nem como marido, avô, ou como filho", disse a filha Priscila Gulo, desiludida.

cm