Ao fim de 80 anos de existência, a revista norte-americana 'Newsweek' viu-se obrigada a reduzir custos e, consequentemente, a pôr fim à sua edição impressa.
Além da passagem definitiva para o digital, vai ter apenas uma única versão internacional, que se estenderá a todo o mundo.A decisão surge numa altura em que o sector dos media é assolado pela crise mundial, nomeadamente pela crise do mercado publicitário, pelo que a redução de custos e a transição para o online aparecem como a única via possível.
Entre as mudanças que entram em vigor para o ano, a publicação norte-americana vai ainda passar a chamar-se 'Newsweek Global', uma vez que terá apenas uma edição internacional, que será vendida para todo o mundo.
«Deixar a edição impressa é um momento extremamente difícil para todos nós que adoramos a imagem romântica do papel e a camaradagem única das frenéticas horas de fecho, todas as sextas-feiras à noite», declarou a editora-executiva Tina Brown num comunicado divulgado esta quinta-feira.
«Esta decisão é sobre a qualidade da revista e do próprio jornalismo – que está tão forte como sempre. É sobre desafiar a crise económica que afecta a publicação e distribuição de jornais e revistas», disse a editora, confiante na necessidade de «abraçar o futuro do digital».
Prestes a comemorar o seu 80º aniversário, a Newsweek chegou a ser a segunda maior revista semanal dos EUA, sendo apenas ultrapassada pela TIME. A quebra nas vendas e a crise no mercado publicitário, no entanto, resultaram na insustentabilidade financeira da revista nos moldes actuais, explica a BBC.
Tendo em conta que a revista se fundou com o grupo Daily Beast (de notícias online) há dois anos, esta decisão de acabar com o papel poderá também ser encarado como o fim da marca como hoje a conhecemos.
A última edição impressa chegará às bancas no último dia do ano. Em Janeiro, os conteúdos da Newsweek migram em jeito definitivo para o formato digital.

Fonte: SOL