O CEO da EDP Renováveis, João Manso Neto, indicou que a empresa não recuou na intenção de remunerar os accionistas já no próximo ano, período em que o grupo inaugurará o seu primeiro investimento na energia solar, na Roménia.

A EDP Renováveis mantém a intenção de distribuir pela primeira vez dividendos aos accionistas no próximo ano, não havendo neste momento nada que aponte para um novo adiamento, disse o presidente executivo da EDP Renováveis, João Manso Neto, ao Negócios.

À margem de uma conferência promovida esta quinta-feira em Viana do Castelo pela Apren – Associação Portuguesa de energias renováveis, o CEO da EDP Renováveis indicou ainda que o primeiro projecto de energia solar fotovoltaica do grupo, já em fase de construção na Roménia, será concluído no primeiro trimestre de 2013.

Na conferência da Apren, João Manso Neto pronunciou-se ainda sobre o recente acordo entre os promotores eólicos e o Governo português, pelo qual os parques eólicos contribuirão com mais de 140 milhões de euros para ajudar a reduzir a dívida tarifária da electricidade, em benefício dos consumidores.

“Os acordos com o Governo foram intelectualmente honestos e economicamente correctos”, comentou o CEO da EDP Renováveis, notando, contudo, que persistem desequilíbrios para as centrais térmicas que produzem electricidade para o mercado liberalizado, entre outros agentes do sector.

Além disso, João Manso Neto sublinhou a necessidade de se avançar com um planeamento energético que preveja nova capacidade a partir de fontes renováveis em Portugal. “O plano actual não prevê novos licenciamentos. Neste momento é razoável, mas se calhar daqui a dois anos não será”, afirmou o gestor.

Ideia idêntica foi defendida pelo presidente da Apren, António Sá da Costa, que sustentou que “as políticas têm que ter uma evoluçã previsível, têm de ter alguma estabilidade”.


Fonte: Jornal de Negócios