António Moura Santos acordou sobressaltado, na madrugada de ontem. Num telefonema, a PSP dava-lhe conta de que a sua ourivesaria Pratil, na rua do Bonjardim, Porto, tinha sido alvo de um assalto por ladrões que abriram um buraco no prédio contíguo. As boas notícias chegariam logo depois: o gang foi detido e o ouro recuperado.



Tudo aconteceu antes das 05h00. Um grupo arrombou a porta de um prédio de escritórios e abriu um buraco na parede que divide o espaço da ourivesaria. Uma vez na loja, os ladrões atacaram o alarme, limparam o ouro da montra – 11 mil euros – e preparavam-se para fugir. Entrou então em acção o Dispositivo de Investigação Criminal da PSP, que deteve os cinco suspeitos, todos de nacionalidade romena - quatro homens, 23 a 34 anos, e uma mulher, de 31, residentes na Maia.

"Foi um milagre. Quando cheguei aqui, os agentes disseram-me para ter calma. Estou feliz da vida porque apanharam os larápios. A Polícia foi excepcional", referiu António Moura Santos, de 62 anos, que tem a ourivesaria há 30 e já foi alvo de outros dois ataques.

O gang é suspeito de diversos ataques ao ouro, nos distritos de Porto, Aveiro, Braga e Lisboa, e actuava através de abertura de buraco nos prédios contíguos. Foram apreendidos milhares de euros em dinheiro e ouro. São levados hoje a tribunal.

cm