Ana Cecília Alves vive há mais de 25 anos naquele bairro

Idosa habita no bairro de Fernão de Magalhães com dois filhos deficientes
Num apartamento do bairro de Fernão de Magalhães, no Porto, uma mulher, de 90 anos, e dois filhos deficientes, na casa dos 40 anos, vivem sem as mínimas condições de higiene, rodeados de lixo e de bicharada.
Os vizinhos já tentaram, por várias vezes, fazer uma limpeza à habitação, mas a idosa não deixa que ninguém lhe entre em casa. Em 2009, a Autoridade Regional de Saúde do Norte comunicou à empresa municipal de Habitação, DomusSocial, que a família vivia numa situação de insalubridade.
Porém, três anos volvidos, e tendo o município referido ao JN que diligenciou o acompanhamento da situação pela Junta do Bonfim e pela Obra de Santa Zita, a situação mantém-se.
Fartos de tentarem encontrar uma solução para a família, os vizinhos, que preferiram o anonimato, dizem-se "impotentes". "A dona Ana tem um feitio muito difícil e não deixa que ninguém a ajude", confessou uma moradora, que alerta para a necessidade de "uma desinfestação urgente". Até, porque as casas dos vizinhos são constantemente invadidas por moscas, pulgas e baratas. O cheiro, junto à porta da família, é nauseabundo.
"Eles recebem apoio domiciliário, mas é muito difícil a idosa deixar que levem a roupa para lavar. Só muito raramente", contou, outro residente da mesma entrada. Confrontada com a falta de limpeza na sua casa, Ana Cecília Alves, que vive há mais de 25 anos naquele bairro, justificou que os dois filhos "vão fazendo o que é preciso" e, por isso, rejeitou qualquer tipo de ajuda. "Vamo-nos remediando", frisou.
Contam os vizinhos que a idosa mandou retirar o cilindro, ficando sem água quente para tomarem banho.

Fonte: jornal de Notícias