Tiveram relações sexuais, foram jantar mas quando voltaram ao apartamento para a segunda dose de sexo, uma discussão transformou o encontro gay em tragédia, em Albufeira. Francisco Carvalho, director da Makro da Guia, foi asfixiado pelo parceiro que tinha convidado para sexo a troco de dinheiro. O homicida fugiu com o carro e os valores da vítima. Depois de uma complexa investigação da Polícia Judiciária (PJ) foi capturado em casa, na zona de Quarteira, anteontem.



Francisco Carvalho tinha 49 anos e era natural de São Sebastião da Pedreira. Foi encontrado por empregadas de limpeza completamente nu, com um ferimento na cabeça e envolto numa poça de sangue. A autópsia revelou que morreu devido a asfixia mecânica. Ao que o CM apurou, a vítima usava um telemóvel exclusivamente para contactos sexuais e o apartamento onde foi encontrado, na zona do Forte de São João, era usado apenas para encontros gay.

A investigação foi entregue à Directoria do Sul da PJ. As pistas sobre o que aconteceu no apartamento eram muito poucas mas os investigadores seguiram algumas pontas soltas e conseguiram chegar ao homicida, um homem de 32 anos, natural de Viseu, com antecedentes ligados ao tráfico de droga e a um homicídio há vários anos. Após o crime terá fugido para Espanha, mas depois de regressar a casa foi capturado. O suspeito foi ontem ouvido por uma juíza de turno, no Tribunal de Portimão, e foi enviado para casa com pulseira electrónica.

cm