Ficou tudo reduzido a cinzas. O incêndio que deflagrou, ontem à tarde, na Guimavil, fábrica de feltros para colchões, em Avanca, Estarreja, destruiu por completo o espaço. Dois bombeiros de Estarreja que seguiam para o combate às chamas num autotanque sofreram ferimentos graves num acidente.



O incêndio começou às 15h30, por motivos desconhecidos, numa altura em que a fábrica Guimavil estava encerrada. As chamas destruíram a zona de produção da fábrica, onde estão as máquinas de prensagem e colagem dos feltros – e alastraram--se ao armazém. Os prejuízos ainda são incalculáveis.

"Moro entre Avanca e Válega. Vi o incêndio de casa, vim cá e ainda estive a tentar proteger a parte onde está o gás para que as chamas não chegassem lá", disse ao CM Ricardo Santiago, um dos 60 funcionários da fábrica. "Está tudo destruído. As máquinas derreteram todas", lembrou depois o colega José Silva.

Quando dois bombeiros de Estarreja seguiam para o incêndio despistaram-se na EN109. Ao sair da rotunda e a fazer a curva, o autotanque tombou para o lado direito. Os dois únicos ocupantes – um casal de jovens bombeiros – tiveram de ser retirados pelo pára-brisas da frente. Foram levados, em estado grave, para o Hospital de Aveiro.

O fogo tomou proporções gigantescas, sendo a coluna de fumo preto visível a quilómetros de distância. Os bombeiros conseguiram evitar que o incêndio atingisse os cabos de alta tensão e a cisterna de gás que alimenta os fornos da fábrica.

A empresa fica ao lado da Joviflex - Fabrico de Colchões de Molas, que tem cerca de 50 funcionários e a mesma gerência, mas não sofreu danos. Aos funcionários, os patrões garantiram que os cerca de 60 postos de trabalho não estão em risco. O fogo acabou por ser dominado às 18h53.

cm