São suspeitos de pelo menos 10 roubos de carros topo de gama pelo método de carjacking, 30 ataques de multibanco à bomba e sequestro de seis pessoas. Os 10 homens e quatro mulheres foram ontem presos pela PJ e hoje vão ser ouvidos pelo juiz Carlos Alexandre.



A necessidade de fugir rapidamente, já com o dinheiro nas mãos, logo a seguir às explosões das caixas multibanco, forçou-os a serem minuciosos nos carros que usavam. E a prioridade dada ao sucesso dos assaltos levou-os a sequestrar seis pessoas - sobretudo seguranças - que foram manietadas e agredidas.

Ontem de madrugada, numa operação da Unidade Nacional Contra-Terrorismo da PJ, o grupo foi desmantelado. Após 20 buscas domiciliárias, foram detidos os ladrões que desde Maio protagonizaram uma razia às caixas multibanco instaladas em superfícies comerciais do Centro e Grande Lisboa - desde o ano passado, a PJ deteve oito grupos criminosos por explosão de multibancos, que corresponde a cerca de 50 assaltantes já capturados.

O assalto de 25 de Maio na Malveira da Serra, Cascais, foi o ponto de partida da investigação. O gang manteve-se imparável com ataques em Vila Franca de Xira, Oeiras, Caldas da Rainha, Torres Novas e Torres Vedras.

Ontem de madrugada, no Norte do País, um grupo explodiu, com recurso a gás, uma caixa multibanco instalada na Junta de Freguesia de Crestuma, em Gaia - os assaltantes armados levaram o dinheiro. Depois puseram-se em fuga.

"RESOLVIDOS 50 POR CENTO DOS ROUBOS"

Luís Neves, que lidera a Unidade Nacional de Contra-Terrorismo da PJ disse ontem que desde meados de 2011 até agora já foram desmantelados oito grupos "a quem se imputam cinquenta por cento dos assaltos a caixas ATM a nível nacional". E avisa que as investigações vão continuar. "Quem persistir a praticar crimes deste género, que esteja ciente que a Polícia Judiciária vai esclarecer esses mesmos crimes e apresentá-los à Justiça".

cm