Tem um emprego fixo, uma vida estabilizada e aparenta estar bem integrado socialmente. A família garante que é sociável, interage com crianças e nunca mostrou apetência para o crime.



O outro lado, que não conheciam, foi agora descoberto pela Polícia Judiciária de Vila Real. O empregado de balcão, de 37 anos, tinha no computador de casa milhares de imagens de pornografia de menores. A forma como catalogava os ficheiros e a violência dos mesmos revela a perversão do seu comportamento, que nunca tinha levantado qualquer suspeita.

Ontem, o homem foi detido e levado a tribunal, mas saiu em liberdade. Tem de se apresentar duas vezes por semana no posto policial mais perto da residência, porque a perícia da Polícia Judiciária não permite, em poucas horas, verificar se comercializava as mensagens ou apenas satisfazia as suas fantasias.

A lei não permite a aplicação da prisão preventiva, mas a Polícia Judiciária garante que, mesmo assim, a operação tem efeito prático. "É preciso que a família também seja envolvida, que ela própria acompanhe este indivíduo para que seja tratado", disse um responsável ao CM.

cm