Cinquenta por cento dos estudantes das faculdades públicas e privadas de Lisboa consomem frequentemente substâncias psicoactivas para diminuir a exaustão ou síndrome de ‘burnout’ (esgotamento), segundo um estudo realizado com base no testemunho de 486 estudantes.



"O consumo destas substâncias é superior àquele que esperávamos e pode ter graves consequências para o aluno, transformando-se numa dependência", alerta o autor do estudo, João Marôco, professor do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA). "Concluímos que 15% apresentam níveis elevados de exaustão", facto que é mais acentuado nos alunos de Ciências da Saúde e de Ciências Sociais e Humanas. A investigação revela que a descrença na utilidade dos estudos é mais evidente nas universidades privadas.

cm