Menina desapareceu durante guerra civil de El Salvador
Reencontra a mãe 32 anos depois


Foram precisos 32 anos para pôr fim a um vazio na vida de Rosa Miriam. A mulher, separada da família durante a guerra civil de El Salvador, reencontrou-se finalmente com a mãe.

O encontro ocorreu na passada quarta-feira em Sonsonate, cidade 80 quilómetros a sul da capital de El Salvador. Rosa, agora com 41 anos, abraçou, pela primeira vez em mais de três décadas, a mãe María Sibrían e os seus quatro irmãos.

“Existia este vazio em mim. Por tantos anos o mantive na minha mente e no meu coração”, afirmou Rosa, após o reencontro, para o qual levou o marido e os seus dois filhos.

A separação ocorreu em Maio de 1980, quando a família escapou a um massacre de guerrilheiros na região de Chalatenango, próxima das Honduras. Durante dois dias, aldeias inteiras procuraram fugir aos guerrilheiros, viajando para solo hondurenho, entre as quais a família de Rosa. Na fuga, pelo menos 300 pessoas perderam a vida.

Poucos dias após o massacre, a família procurou regressar a casa, mas foi nessa altura que o pai de Rosa foi assassinado. María Sibrían fugiu novamente com os cinco filhos, mas três deles perderam-se, entre os quais Rosa.

Até ao final da guerra civil, em 1992, a progenitora procurou os filhos com a ajuda de uma organização não humanitária e conseguiu encontrar dois. Mas Rosa continuou desaparecida. A menina, na altura com nove anos, acabou por ser adoptada por uma família.

Só em Agosto de 2012, o gabinete público responsável por ajuda famílias desencontradas localizou Rosa Miriam, que pode finalmente voltar a ver a mãe.

A guerra civil deixou mais de 75 mil mortos em El Salvador e mais de sete mil desaparecidos.

C. da Manha