As pensões mínimas, que variam entre 195 e 254 euros, vão ser aumentadas em 1,1% no próximo ano, ou seja, 2,5 euros em média, anunciou o ministro da Segurança Social.



Segundo Pedro Mota Soares, o aumento será superior à inflação prevista para 2013, que é de 0,9%, e beneficiará "um milhão de pessoas". A Pensão mínima de Invalidez e Velhice passa de 254 euros para 256,79 euros, o que corresponde a um aumento diário de apenas 9,3 cêntimos; a pensão rural passa de 234,48 euros para 237,05 euros (aumento diário de 8,5 cêntimos), e a Pensão Social aumenta 7,1 cêntimos por dia, passando de 195,40 euros para 197,54.

Ontem, no Parlamento, Pedro Mota Soares garantiu que o Governo não vai mexer na duração máxima do subsídio de desemprego, nem na cláusula de salvaguarda. "Foi este Governo que contrariou a troika, foi este Governo que contrariou o que estava previsto no memorando de entendimento e conseguiu garantir que o subsídio de desemprego vá até aos 26 meses no caso dos trabalhadores com carreiras contributivas mais longas, com mais idade (...). Não vamos tocar nem na cláusula de salvaguarda nem na duração máxima do subsídio de desemprego", garantiu o ministro.

Pedro Mota Soares justificou ainda a "contribuição" de 6% dos desempregados e de 5% dos doentes, que servirá para que ambos paguem parte da reforma a que terão direito, referente ao período em que não estão a fazer descontos.

cm