As minhas colegas já foram assaltadas e eu também tenho medo de trabalhar aqui." Cláudia Rocha, funcionária numas bombas de gasolina de Paredes, não esconde o receio em que vive.



O posto de abastecimento onde trabalha foi assaltado há duas semanas e o medo da funcionária aumentou ainda mais. Os ataques a bombas têm sido, aliás, constantes na cidade, tal como os roubos por esticão que crescem de dia para dia. Só de Janeiro a Setembro deste ano já ocorreram 19 roubos através deste método, mais dez do que durante todo o ano passado.

"Noto que há mais assaltos e isso preocupa-me muito. Há algum tempo dois falsos funcionários da Segurança Social tentaram burlar a minha vizinha, mas eu impedi-os", disse José Pinto, reformado e morador na zona.

Os furtos a residências, que em 2011 foi o crime mais registado pela GNR, também já atingem neste ano um número muito elevado, tendo sido já registadas 69 ocorrências .O presidente da Câmara de Paredes, Celso Ferreira, acredita que a "subida exponencial do desemprego" poderá agravar uma situação que preocupa.

cm