Revelou às autoridades que a mando de Allan Sharif, o luso-americano que extorquiu dezenas de instituições estrangeiras sob ameaça de bomba, participou no rapto do canadiano Timothy Vaan Caine, que foi torturado e a quem foram exigidos dez milhões de euros. Agora, Paulo Almeida, o empresário que ficou conhecido por ter já tentado assaltar um banco em Miami, arrisca uma pena de cadeia pesada por ter denunciado à Polícia Judiciária um crime do qual até então ninguém tinha conhecimento. Nas alegações finais, o MP pediu dez anos e oito meses de cadeia.



O réu de Mangualde envolveu-se nos esquemas de Allan Sharif, que cumpre uma pena de 17 anos de cadeia, e do tio daquele em 2007. Em Março desse ano, Paulo Almeida viajou para os EUA, alegadamente para ir buscar o dinheiro que teria sido extorquido ao canadiano. Foi, no entanto, arrastado para uma tentativa de assalto a um banco em Miami, comandada à distância por Allan Sharif, que por telefone disse à funcionária que Paulo Madeira tinha uma bomba na mala.

O empresário acabou por ser detido e esteve oito meses preso até ser absolvido. Regressou a Portugal apenas em Outubro de 2008, e por essa altura o FBI contactou a Polícia Judiciária, dando conta de que Paulo Almeida queria denunciar um crime. Em Novembro desse ano, o empresário contou então pela primeira vez aos inspectores que Allan Sharif tinha raptado um canadiano entre 15 e 26 de Fevereiro de 2007.

A cooperação de Paulo Almeida foi tida em conta pelo DIAP aquando da dedução da acusação. O procurador que teve o processo a seu cargo considerou que o empresário, embora tivesse de pagar pela sua colaboração no crime, deveria ter uma atenuante pena a aplicar.

Para Allan Sharif, o MP de Mangualde pediu pelo rapto uma pena de 13 anos e nove meses, e para o seu tio 9 anos. Para outros três envolvidos, foram pedidas pena de oito anos e oito meses. Já para os dois seguranças que estiveram a vigiar a casa onde o canadiano esteve preso, o MP pediu três anos e três meses de pena suspensa.

TORTUROU E AMEAÇOU MATAR

O rapto do canadiano Timothy foi planeado ao pormenores. Allan Sharif , de 30 anos, fez-se passar por empresário na internet e, ao fim de meses, convenceu o canadiano a comprar uma quinta em Viseu por dez milhões.

Timothy veio conhecer o potencial investimento, mas acabou raptado. Espancaram-no, fizeram-lhe várias torturas, entre as quais a do sono, e ameaçaram que matavam a sua família no Canadá. Sharif sabia que o canadiano tinha dez milhões para pagar o próprio resgate, só não contava que aquele precisasse da assinatura do sócio para desbloquear a verba. O luso- americano conseguiu extorquir 300 mil euros e abandonou a vítima.

No julgamento que agora decorre, Paulo Almeida confessou o rapto e disse que Timothy veio a Portugal para ser roubado.

cm