Há vários anos que não se entendiam, mas, anteontem de manhã, as discussões devido ao envenenamento de cães culminaram em dois disparos de caçadeira à queima -roupa, em Alvadia, Ribeira de Pena, que atiraram Cândido Faria Gonçalves, de 59 anos, para uma cama do hospital de Vila Real, onde luta pela vida. Ontem à noite, estava com prognóstico reservado nos Cuidados Intensivos. O atirador, de 65 anos, foi detido pela PJ de Vila Real e presente a tribunal, onde era ouvido ao fecho desta edição.



"Era a hora da missa, algumas pessoas na aldeia ainda ouviram os dois tiros que deixaram o meu irmão estendido no chão com a barriga aberta", contou ao CM Elias Gonçalves, de 79 anos, irmão da vítima. O pastor foi atingido cerca das 7h45 quando se cruzou com o agressor – que ia para a caça – no caminho perto da casa de ambos. "Um irmão meu, que estava num armazém próximo, ouviu os gritos e encontrou-o no chão cheio de sangue. E disse logo que o José ‘da Eira’ tinha dado dois tiros", recordou Elias Gonçalves.

Após os disparos, o atirador – reformado que cria cães para a caça – foi para casa, na aldeia de Samardã, e disse a uma jovem vizinha para chamar a ambulância, dizendo que tinha alvejado o Cândido Gonçalves.

Segundo o comandante dos bombeiros de Ribeira de Pena, António Martins, a vítima foi encontrada em hipotermia e tinha perdido muito sangue. Foi logo transportado para o Hospital de Vila Real .

cm