A Câmara de Évora decidiu despedir, por justa causa, dois funcionários que terão desviado verbas da cobrança de facturas da água e obrigá-los a repor cerca de 54 mil euros, revelaram hoje fontes da autarquia.
As fontes contactadas pela agência Lusa explicaram que o executivo municipal aprovou, por unanimidade, na terça-feira à noite, a proposta final do processo disciplinar, que foi apresentada pela instrutora do processo, numa reunião extraordinária à «porta fechada».
Ficou decidido que os dois funcionários vão «desvincular-se da administração pública e repor as verbas desviadas por meios próprios», precisaram as fontes. De acordo com as mesmas fontes, o processo disciplinar «deu como provado» que um dos funcionários desviou «35 mil euros» e o outro «19 mil euros».
As fontes recordaram que «continua a decorrer o processo-crime» contra os dois funcionários da autarquia, que «é da responsabilidade do Ministério Público», podendo ser «apuradas outras verbas que foram desviadas e aplicadas as penalizações previstas na lei».
Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Évora, José Ernesto Oliveira (PS), confirmou a realização da reunião, mas escusou-se a falar sobre o assunto, remetendo para as conclusões do processo que vão ser publicadas em Diário da República.
Também os vereadores da oposição, CDU e PSD, recusaram comentar o assunto.
O caso surgiu em Setembro de 2011, quando a Câmara de Évora abriu um processo disciplinar contra dois funcionários, por, alegadamente, terem desviado verbas da cobrança de facturas da água.
Na altura, ambos os funcionários foram afastados daquele serviço e colocados noutros distantes para não terem qualquer contacto funcional com aquele departamento.

Fonte: Lusa/SOL