Dois pilotos de helicóptero protagonizaram um salvamento insólito. Com grande perícia, arriscaram-se para retirar um avião telecomandado do topo de uma árvore. "Não é esta a coisa mais marada que já fizeste", diz um dos pilotos, que nunca largou o cigarro durante a viagem.

A linguagem não é recomendada para menores de idade, mas a perícia dos pilotos merece ser referenciada, neste salvamento insólito, nos EUA.

A bordo de um helicóptero Robinson R-22, os pilotos conversam surpreendidos com a pista de aterragem visível numa casa numa área arborizada, quando um avião telecomandado fica preso nas árvores.

Sem hesitar, o piloto mais velho, que vai brincando com um cigarro, entre a mão e a boca, decide "salvar" o avião. Toma os comandos do helicóptero e põe o piloto mais novo a fazer de bombeiro.

O helicóptero parece que para na copa das árvores nos segundos que demora o co-piloto a retirar o avião telecomandando - uma réplica de um Mustang P-51. "Adoro estas pequenas coisas", diz o piloto mais velho, quando a pequena aeronave é recolhida.

"Certamente que nos autorizaram a aterrar ali", brinca o piloto mais velho, que se assume como gerente de um negócio de "helis", quando manobra para aterrar num prado, onde os donos do avião assistiram ao salvamento. "Eles estão a tripar", gracejou.

Feita a entrega, os audazes pilotos regressam aos ares, com "uma história para a eternidade", segundo o pilot mais novo. "Foi a m* mais doentia e marada que já fizeste, não?"











JN