O movimento 'Que se Lixe a Troika' convocou hoje uma manifestação para o dia 12, em Lisboa, sob o lema 'A Merkel Não Manda Aqui', para repudiar a presença em Portugal da chanceler alemã.
A concentração está marcada para as 16h00, no Largo do Calvário, seguindo o protesto para os jardins de Belém, frente à Presidência da República.
Os autores da iniciativa defendem que a presença de Angela Merkel em Portugal, a 12 de Novembro, deve merecer «todo o repúdio» da sociedade, em particular num momento social e economicamente crítico como o que o país atravessa.
«Nas vésperas de uma greve geral internacional contra a austeridade e os governos que a implementam, diremos nas ruas à sua passagem: Que se Lixe a Troika, a Merkel Não Manda Aqui», lê-se num comunicado hoje emitido.
Apela-se à mobilização da população em todo o país para que o dia fique marcado por protestos nos locais de trabalho, nas escolas, nas ruas e nos estabelecimentos comerciais, «com braçadeiras negras ou panos negros das casas e carros».
Os autores do protesto sustentam que Angela Merkel representa a Europa da austeridade, nas mãos do poder financeiro, «a Europa dos directórios, do poder político não sufragado» e cada vez mais sujeita a instâncias internacionais que «promovem a destruição» das economias e sociedades vizinhas.
«Angela Merkel é uma das figuras de proa da ideologia que nos impõe a pobreza, o desemprego, a precariedade e a destruição do estado social, tendo a troika e os governos troikistas como armas», afirmam.
Rejeitando que as decisões sejam tomadas em Portugal por quem o povo não elegeu, o movimento apela aos cidadãos que digam ‘Fora Daqui’ à passagem de Merkel.
A chanceler vai visitar com o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, a sede da Autoeuropa, em Palmela, e abrir um fórum económico no Centro Cultural de Belém, disse à agência Lusa fonte oficial.
Além do encontro com o primeiro-ministro, Angela Merkel vai reunir-se com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Fonte: Lusa/SOL