A Associação Micológica «A Pantorra» está em desenvolver em parceria com um especialista em informática, uma aplicação para iPhone, que vai servir como guia de campo para a apanha e identificação de cogumelos na região nordestina.
«Uma vez que o conhecimento dos cogumelos para a maioria de pessoas é reduzido, centramos esta aplicação em espécies que abundam no Nordeste Transmontano, mas que poderá ser utilizada em outra regiões do país já que há espécies semelhantes», contou à Lusa o autor do projecto, Álvaro Monteiro.
Nesta primeira fase do projecto, considerado «pioneiro» em Portugal, foi criada uma lista com 34 espécies de cogumelos, as quais foram fotografadas e identificadas pelos micólogos da associação «A Pantorra» de forma «a melhor elucidar» «quem por esta altura do ano se dedica a apanha destes fungos».
De futuro, a aplicação será dotada de um sistema de GPS para que os utilizadores, à medida que vão apanhando os cogumelos, possam fazer a marcação dos locais para assim se perceber onde proliferam as espécies.
«A ideia deste projecto será elevar o nível médio de conhecimentos acerca dos cogumelos e ajudar a prevenir eventuais intoxicações provocadas por algumas espécies», acrescentou o técnico.
Para já aplicação está apenas disponível para o sistema iPhone e por enquanto não há a passibilidade de ser aplicados a outros 'smartphones' em território nacional.
«A ideia passa por ter disponível uma lista de cogumelos que vai sendo seleccionada pelo utilizador, enquanto vai visualizando fotografias para assim, inequivocamente, poder apanhar a espécie desejada e sem erro, já que a mesma pode ser comparada no terreno», frisou Álvaro Monteiro.
A cada fotografia esta associada um descrição técnica resumida para que cada apanhador, de forma rápida, possa verificar se o cogumelo é, ou não comestível.
«Haverá uma iconografia apropriada inserida no programa que ajudará a identificar os cogumelos e uma descrição textual e precisa que ajudará a perceber os perigos e as características que lhes estão associados», concluiu o mentor da iniciativa.

Fonte: Lusa/SOL