São cada vez mais os casos de altos quadros no desemprego a pedir ajuda à Deco (Associação de Defesa do Consumidor) para negociar os empréstimos com os bancos.
«Todos os dias nos chegam situações de pessoas que tinham bons ordenados, mas perderam o emprego e já não conseguem pagar a casa ao banco», conta ao SOL Natália Nunes, responsável do Gabinete de Ajuda ao Sobre-endividado. Ainda recentemente, a Deco fechou o processo de um antigo director comercial que perdeu para o banco o apartamento onde vivia, nos arredores de Lisboa.
«Não foi possível travar a execução da hipoteca», conta. «Quando estava empregado, ganhava 10 mil euros por mês e contraiu vários empréstimos. Entretanto, perdeu o emprego, a mulher também e não voltaram a encontrar trabalho».
Natália Nunes diz que a maioria dos quadros que ficam desempregados baixam repentinamente o seu nível de vida e vêem-se obrigados a alargar prazos de pagamento dos empréstimos, acabando por tentar vender a casa para pagar dívidas. A maioria não consegue e perde o imóvel para o banco.

Fonte: SOL