O concurso público está lançado: a Assembleia da República quer adquirir 120 novos computadores portáteis por um valor global de 110 700 euros: 90 mil euros mais IVA. O objectivo é renovar os equipamentos comprados em 2008 e distribuídos aos deputados. Em média, os computadores poderão custar cerca de 920 euros cada.



Segundo a secretaria-geral do Parlamento, "o lote de portáteis que se pretende adquirir não é para atribuição imediata na sua totalidade, vindo a constituir um stock para futuras necessidades; contudo, a aquisição de um número mais elevado tem a vantagem de obtenção de melhor preço e de permitir que não haja uma proliferação de várias marcas, tornando a manutenção mais difícil", frisa-se em resposta ao CM.

O Parlamento, presidido por Assunção Esteves, acrescenta ainda que os actuais computadores portáteis já receberam "memórias suplementares", mas o registo de avarias e de degradação "forçaram a sua substituição, já que a reparação destes equipamentos torna-se, muitas vezes, economicamente mais desvantajosa do que a aquisição de um novo equipamento".

O estatuto dos deputados prevê, além de um gabinete próprio – em média um gabinete é usado por dois deputados –, um assistente individual e a utilização gratuita dos "serviços postais e sistemas de telecomunicações, bem como a utilização da rede informática parlamentar e de outras redes electrónicas de informação". O concurso termina na próxima semana.

cm