Sempre que cai a noite e é hora de recolher as cabras para o curral, Maria Duarte, de 80 anos, teme sempre contar menos cabeças de gado do que aquele que de manhã encaminhou para os prados em Covas do Monte, São Pedro do Sul.



Uma alcateia anda a atacar os rebanhos e a assustar as quatro dezenas de habitantes, que ameaçam violar a Lei e matar os lobos. "Isto não pode continuar assim. Estamos aqui esquecidos e os lobos ainda nos retiram aquilo que nos dá algum dinheiro", lamenta-se Maria Duarte, revoltada por ontem ter perdido mais uma cabra, "que estava prenha".

Os mais antigos sempre se lembram da presença de lobos naqueles montes, entre as serras da Arada e de São Macário. No entanto, nos últimos meses os ataques aos rebanhos "têm sido demais", adianta Fátima Silva, outra das pastoras afectadas.

Na aldeia haverá cerca de 1500 cabeças de gado – os lobos já terão morto mais de três centenas. "Qualquer dia não há gado", lamenta Manuel Ribeiro Martim, de 81 anos, dono de 60 cabras – os lobos já lhe mataram dez. A Câmara de São Pedro do Sul já denunciou o problema ao secretário de Estado da Agricultura. Os pastores esperam que as autoridades actuem para se evitarem mais mortes.

cm