Dois feridos em derrocada no norte da Madeira a caminho do hospital

Duas das cinco pessoas feridas hoje nas derrocadas na Ribeira da Janela, que isolaram a freguesia do Seixal, no norte da Madeira, já estão a caminho do hospital do Funchal, disse à Lusa o responsável da equipa médica.
Segundo Eugénio Mendonça, da Equipa Médica de Intervenção Rápida (EMIR), que falava ao início da tarde, dois feridos inspiram mais cuidados - um com uma ferida na cabeça e outro com um traumatismo no braço – e foram transportados pela ambulância todo-o-terreno, que conseguiu chegar ao centro de saúde daquela localidade com alguma dificuldade.
Os outros três acidentados apresentam ferimentos ligeiros.
«A EMIR está com eles há mais de uma hora. A equipa foi pelo Fanal, não podia passar porque a estrada estava interrompida, pelo que ambulância ficou a aguardar e os restantes elementos fizeram parte do percurso a pé, acartando o material em mochilas às costas para apoiar os que estavam a trabalhar no centro de saúde», explicou Eugénio Mendonça.
«Quando a ambulância pôde passar, dirigiu-se para o centro e os dois acidentados mais graves, com ferimentos de gravidade moderada, já estão a caminho do hospital», concluiu.
As autoridades chegaram a equacionaram retirar os feridos recorrendo ao helicóptero da Força Aérea, mas acabaram por excluir essa possibilidade por não estarem reunidas as condições atmosféricas necessárias para o aparelho poder chegar ao local com segurança.
Entretanto, a Secretaria Regional dos Assuntos Sociais, numa nota divulgada na região, diz que o titular da pasta, Francisco Jardim Ramos, se «encontra desde a primeira hora junto da população, a acompanhar a situação dos feridos no Centro de Saúde da Ribeira da Janela», e adianta que «neste momento a estrada regional Ribeira da Janela/ Porto Moniz já se encontra desobstruída, embora condicionada prioritariamente a viaturas de socorro».
Devido à forte precipitação que caiu esta madrugada na região e que fez o Instituto de Meteorologia colocar a Madeira em alerta laranja, ocorreram várias derrocadas que atingiram sobretudo a costa norte da ilha, nos concelhos do Porto Moniz e de Santana.
De acordo com informações do presidente da Câmara do Porto Moniz, entre os feridos há três pessoas que foram atingidas por uma dessas derrocadas quando tentavam ajudar outras duas que haviam ficado retidas numa viatura.
Valter Correia adiantou que, por causa dos deslizamentos de terras, a freguesia do Seixal está isolada, visto que a via-expresso está bloqueada nos dois sentidos, a partir de S.Vicente e do Porto Moniz.
O autarca mencionou que nesta localidade há ainda a registar o caso de uma casa que foi arrastada pela água e três famílias que ficaram desalojadas.
As escolas do Porto Moniz estão encerradas, o mesmo acontecendo com alguns estabelecimentos de ensino em Santana, e diversas estradas estão temporariamente intransitáveis, decorrendo já trabalhos de limpeza.
Em Santana, na zona de S.Jorge, parte do miradouro desta localidade desabou.
Inundações e derrocadas aconteceram ainda nos concelhos da Ribeira Brava e Machico, bem como na ilha do Porto Santo.
Devido a estas condições atmosféricas, a empresa Aeroportos da Madeira emitiu um comunicado informando existirem constrangimentos no movimento, tendo divergido para o Porto Santo quatro voos - o TP 1615 proveniente de Lisboa, dois da Easyjet com origem em Gatwick e Bristol e outro da TOM também do aeroporto londrino.
O responsável pelo Instituto de Meteorologia na região, Vítor Pior, afirmou que se verificará uma melhoria destas condições atmosféricas, mas que se «voltará a agravar durante a noite», uma situação que deverá ser «acompanhada».

Fonte: Lusa/SOL