Os "requintes de malvadez" e a violência extrema usada por uma mulher num assalto à casa de um médico, de 78 anos, em Soure, surpreenderam os familiares e vizinhos da vítima. Saúl Cardoso ficou gravemente ferido depois de ter sido empurrado de uma escada pela assaltante que lhe roubou 100 euros. Ontem, a Polícia Judiciária do Centro anunciou a detenção da mulher, doméstica, de 41 anos, residente em Casal Cimeiro.



Depois de estudar ao pormenor a rotina da vítima, Adelaide Nunes, conhecida na zona por ser "caloteira" e fazer "furtos em lojas", escolheu o dia 25 de Setembro, feriado municipal, para assaltar a casa e o consultório do médico, no centro de Soure, que já conhecia por aí se ter deslocado antes a pedir receitas médicas.

A assaltante chegou à vila entre as 07h30 e as 08h00. Esperou que o médico saísse de casa para comprar pão e introduziu-se no interior da residência aproveitando o facto de, como habitualmente, o clínico ter deixado a porta aberta.

Saúl voltou mais cedo para casa porque a padaria estava fechada. Surpreendida pelo regresso do médico antes do previsto, empurrou-o pela escada. "Foi maldade a mais. Empurrou-o pelas costas, deixou-o desmaiado sobre uma poça de sangue, roubou o dinheiro, bloqueou-lhe o corredor com cadeiras e trancou a porta para o impedir de pedir ajuda", conta Vítor Gameiro, genro da vítima.

À Judiciária, Adelaide diz que apenas o esbofeteou e que o médico caiu. Mas os inspectores acreditam que o tenha empurrado. "Destruiu-lhe a vida", lamenta ao CM Fernando Neves, ao referir que o tio está hospitalizado há mais de um mês e sem prazo previsível para ter alta. Para a filha da vítima, "os requintes de malvadez são próprios de uma psicopata". Adelaide vai ser hoje presente ao juiz.

cm