Lisboa: Manifestações à espera da chanceler

Várias manifestações de protesto e concentrações em diversas cidades do país, mas sobretudo em Lisboa, estão agendadas para segunda-feira durante a curta presença da chanceler alemã, Angela Merkel, a Portugal.Segundo a PSP, estão oficialmente autorizados duas manifestações em Lisboa, uma organizada pela CGTP e outra pelo movimento “Que se lixe a 'troika'”, a que vão aderir outras estruturas que têm promovido protestos de rua contra a austeridade nos últimos meses, como a Associação de Combate à Precariedade.
No entanto, a Polícia admite que outros protestos não autorizados possam ocorrer na capital portuguesa onde a chanceler vai permanecer cinco horas.
Os signatários do movimento “Que se lixe a 'troika'” vão organizar uma manifestação sob o lema “A Merkel Não Manda Aqui” para repudiar a presença em Portugal da chanceler alemã.
A concentração está marcada para o Largo do Calvário, mas a hora de início, segundo os organizadores, ainda não está fechada, seguindo os manifestantes para os jardins de Belém, em frente à Presidência da República.
Os promotores querem que o protesto coincida com a chegada da chanceler alemã ao Palácio de Belém, prevista para as 12h30, onde vai ser recebida pelo Presidente da República, Cavaco Silva.
Os autores da iniciativa apelam também à mobilização da população em todo o país para que o dia fique marcado por protestos nos locais de trabalho, nas escolas, nas ruas e nos estabelecimentos comerciais, apelando ao uso de «braçadeiras negras ou panos negros nas casas e nos carros».
A central sindical CGTP promove também, em Lisboa, uma manifestação contra a austeridade marcada para as 15 horas no Largo de Camões, seguindo para a residência oficial do primeiro-ministro, em S.Bento.
O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, já disse que pretende estar na manifestação convocada pela CGTP para «afirmar a soberania nacional», mas «não para chamar nomes».
A CGTP promove também concentrações, durante a tarde de segunda-feira, em Braga, Porto, Faro e na Madeira.
Entretanto, a PSP já garantiu que está preparada para todas as manifestações que possam surgir durante a visita da chanceler alemã, tendo reforçado o policiamento para segunda-feira, considerando tratar-se de «uma operação policial cuidada».
«A PSP prepara-se para todas as acções que possam existir, quer as que estão planeadas, quer as que possam ser inopinadas, quer as que possam insurgir-se com maior intensidade. [A PSP] está preparada com unidade de reserva, como sempre», indicou a porta-voz da direcção nacional.
Sem divulgar o número dos polícias destacados, a PSP adiantou que o dispositivo de segurança montando inclui diversas valências da Polícia, da investigação criminal, do trânsito e da aeroportuária, à Unidade Especial de Polícia (UEP).
Os locais mais críticos são os espaços em redor da residência oficial do primeiro-ministro, Assembleia da República, Presidência da República e Centro Cultural de Belém, onde vai decorrer um fórum empresárial.
Em todos estes locais poderão existir condicionamentos ou interdições à circulação de pessoas e automóveis.
A avenida da Índia, entre o Centro Cultural de Belém e a Presidência da República, vai estar cortada ao trânsito a partir das 8h30 de segunda-feira.
O programa da visita de Angela Merkel a Portugal dura cerca de cinco horas e inclui encontros com o Presidente da República, com o primeiro-ministro em São Julião da Barra e com empresários.

Fonte: Lusa/SOL