Mário Maia e a esposa acordaram sobressaltados quando ouviram a campainha de casa a tocar insistentemente, às 05h00 de ontem. Nessa altura já o fumo negro invadia o 1º andar na travessa da Senhora da Hora, em S. João de Ver, Santa Maria da Feira. Ainda sem consciência do que se passava, acordaram o filho e correram para a janela. Só aí perceberam que as chamas lavravam no rés-do-chão, onde existe a garagem e os arrumos.



"Se não fosse a campainha, nós não acordávamos e morríamos aqui", referiu a esposa do proprietário da residência. As chamas deflagraram no automóvel que estava estacionado na garagem. De seguida, o fogo ganhou grandes proporções e atingiu o quadro eléctrico, o que terá accionado o toque da campainha.

"Quando nos levantámos, ouvimos barulhos estranhos e verificámos que não tínhamos luz. Pensávamos que nos estavam a assaltar, mas quando sentimos fumo, percebemos que era fogo. A nossa reacção foi abrir as janelas e sair de casa", acrescentou a mulher.

Quando os Bombeiros de Santa Maria da Feira chegaram, foram obrigados a arrombar a porta da garagem, mas não foi missão fácil combater as chamas no automóvel, que se encontrava fechado à chave e travado.

"O acesso não era o melhor, porque o espaço era exíguo. Só conseguimos resolver totalmente a situação depois de rebocar o carro com recurso a um cabo", explicou ao Correio da Manhã o comandante da corporação, Manuel Neto.

cm