Durante doze horas viveu um autêntico terror. A mulher, de 48 anos, foi atirada para uma vala, amarrada, espancada e violada por várias vezes, até que se conseguiu libertar e pedir ajuda, anteontem de madrugada, no hospital de Santo António, no Porto. Tudo porque o suspeito, um estudante de 23 anos, queria que a vítima retirasse uma queixa de agressão que fez contra ele.



O homem foi detido, pouco depois pela Polícia Judiciária do Porto, por sequestro e violação. Presente ontem a tribunal, saiu em liberdade, sujeito a apresentações periódicas às autoridades policiais.

O terror começou às 15h00 de sábado. A mulher, toxicodependente, foi surpreendida pelo estudante no bairro do Aleixo. O jovem, com antecedentes por tráfico de droga e ofensas à integridade física, não gostou de saber que ela tinha apresentado uma queixa. Em Outubro, agrediu-a com uma soqueira, quando esta estava acompanhada por uma amiga, junto a rulotes de comida.

No sábado, o agressor apontou-lhe uma faca e atirou-a para uma vala com cerca de dois metros de profundidade. Depois amarrou-a, meteu-lhe um pano na boca e agrediu-a nas costas e cabeça, partindo-lhe o nariz e os dentes. Durante as doze horas, saía do local e regressava, obrigando-a a fazer sexo oral.

A vítima conseguiu libertar-se às 03h00 e foi sozinha para o hospital, onde fez queixa no posto de polícia. A Polícia Judiciária foi contactada, tendo a mulher indicado o nome e a morada do suspeito.

cm