Sabiam que o ourives e a família vendem na feira de Espinho, que se realiza às segundas-feiras, e ontem prepararam-lhes uma cilada. O gang surpreendeu as vítimas quando saíam da garagem de casa, em Pedroso, Vila Nova de Gaia, e fugiu com o carro carregado de ouro, avaliado em milhares de euros. A viatura foi encontrada pouco depois noutra freguesia, mas já estava vazia.



Eram 07h30 quando o ourives, com cerca de 70 anos, a mulher, o genro e o filho se preparavam para sair de casa rumo à feira. Os primeiros a seguir viagem, num carro comercial com as caixas de ouro, eram o genro e a mulher do ourives. Num carro atrás, iriam o homem e o filho.

Quando a porta automática da garagem se abriu, o primeiro carro foi surpreendido por dois encapuzados, munidos de armas de fogo. Sem hipótese de fugir, o condutor ainda gritou, mas em vão. A dupla forçou-os a sair da viatura.

"A mulher demorou a sair do carro, por causa da sua idade, e tinha o ladrão a obrigá-la a sair. Foi o marido que a ajudou. O genro caiu no chão", contou ao Correio da Manhã uma testemunha.

A dupla entrou no Peugeot comercial e fugiu. Quando chegou ao fim da rua Gonçalves Castro, um carro Audi A4, onde esperavam os comparsas, seguiu--os. Enquanto o casal recuperava do assalto, os seus dois familiares arrancaram logo, noutra viatura, ao posto da GNR dos Carvalhos apresentar queixa e dar informação da matrícula do carro roubado. O Peugeot foi encontrado pouco depois pelos militares a cerca de três quilómetros do local do assalto, na rua das Agras de Lavadores, já na Freguesia de Olival. Mas as caixas com ouro tinham desaparecido.

Não foi a primeira vez que a família foi roubada. "O casal estava destroçado. Ela dizia ‘Que mal fiz a Deus para isto acontecer sempre?’", lembrou outra testemunha. A PJ do Porto está a investigar.

cm