Quando os vizinhos acudiram ao fogo num anexo em Estoi, Faro, e encontraram o morador carbonizado, pensaram que tinha acontecido um acidente. Mas a Polícia Judiciária (PJ) chegou a outra conclusão: o homem foi morto com uma pancada na cabeça e o autor do crime incendiou a casa para destruir o cadáver e as provas.



A morte aconteceu dia 27 de Outubro, no anexo de uma casa, onde morava um português e um romeno que trabalhava na construção civil. Ao que o Correio da Manhã apurou, os dois envolveram-se numa luta, e o português agrediu o companheiro de casa com um objecto contundente, que lhe provocou a morte. Roubou-lhe algum dinheiro e um telemóvel, e deixou o cadáver dentro da casa.

Dois dias depois, o homicida – um desempregado a receber Subsídio de Reinserção Social – decidiu arranjar forma de ocultar o crime. Segundo foi possível saber, colocou uma botija de gás entre as pernas do operário de construção civil e causou um incêndio, com a intenção de explodir o cadáver. A casa ardeu, o corpo ficou queimado, mas os investigadores da PJ conseguiram recolher vestígios no anexo e seguir pistas que os levaram ao assassino. Foi detido na sexta-feira passada e já está na prisão.

cm