BdP alerta para elevada incerteza e riscos no OE2013

O Banco de Portugal alertou hoje para um «elevado nível de incerteza e um conjunto de riscos» associados à evolução das finanças públicas esperada pelo Governo no Orçamento para 2013, estando preocupado com a reacção das famílias à austeridade.
«Importa referir que as estimativas para a evolução das finanças públicas em 2013 apresentadas no Relatório do OE2013 têm associados um elevado nível de incerteza e um conjunto de riscos. Com efeito, a reacção das famílias ao elevado montante de medidas com impacto no seu rendimento disponível é particularmente difícil de prever, acentuando a incerteza relativa ao cenário macroeconómico», diz o banco central.
No Boletim Económico de Outono hoje divulgado, a instituição liderada por Carlos Costa explica ainda que a estratégia de consolidação subjacente ao Orçamento do Estado para 2013 está, como no orçamento deste ano, «muito focada num imposto em particular» e sublinha os riscos associados.
«Embora a receita de IRS seja, à partida, mais fácil de projectar do que a receita de IVA (na qual assentava a estratégia do lado da receita para 2012), o risco inerente à quantificação do impacto das medidas não deverá ser descurado», diz a instituição.
O banco central diz ainda que existe algum risco também associado à diminuição da despesa em rubricas que têm já apresentado diminuições desde o início do programa.
«A previsão de diminuição da despesa em rubricas que têm evidenciado quedas desde o início da vigência do Programa comporta igualmente algum risco para a execução do OE2013», acrescenta.
A instituição liderada por Carlos Costa divulgou hoje novas previsões que apontam para uma recessão de 1,6% em 2013. O banco diz ainda que o défice orçamental de 2012, sem medidas temporárias, será de 6,2% do PIB.

Fonte: Lusa/SOL