Ainda estamos atordoados. Perdemos o orgulho da família. Era um grande homem." Foi com lágrimas nos olhos que José Eduardo Torres, irmão do padre Arlindo Torres, confirmou ao CM que o sacerdote foi "traído" pelo coração. O padre morreu ontem de manhã, em Encourados, Barcelos, quando esperava o autocarro.



O corpo do padre, que sofria de problemas cardíacos, foi encontrado às 08h00 de ontem, numa paragem junto à EN103, por dois bombeiros de Esposende que seguiam para o Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga. Os dois homens deram o alerta às autoridades e iniciaram manobras de reanimação. No entanto, o óbito foi confirmado no local.

"Até custa a crer numa coisa destas. Parecia tão saudável", disse ao CM uma vizinha, em Areais de Vilar. Maria Santos, que conhecia o padre há vários anos, confessa: "Era uma pessoa agradável. Vai fazer muita falta."

Arlindo Torres foi ordenado sacerdote há 50 anos, em Braga. Esteve em paróquias de Fafe e Póvoa de Varzim, mas foi em Vila do Conde que passou a maior parte da sua vida – 25 anos. No estrangeiro, foi capelão em Angola e Cabo Verde e esteve sete anos na Suíça.

O funeral é amanhã, às 16h00, em Barcelos.

cm