O tempo em que os populares deixavam a porta de casa aberta quando iam despejar o lixo ou falar ao vizinho há muito que acabou em Odemira.



"Já ninguém deixa a chave na porta, e na rua andamos com mais cuidado. Há até quem, por segurança, ande com o dinheiro dividido por várias carteiras", refere Lúcia Nazário, lojista de 25 anos, residente na vila.

Recentemente, uma mulher foi roubada por um grupo de jovens. Ficou sem os cem euros que tinha na mala. "Nos últimos meses, notamos que há mais jovens a praticar estes roubos, como também furtos de telemóveis, tablets e outros artigos em lojas", acrescentou Lúcia Nazário .

Segundo a GNR, entre Janeiro e Outubro de 2012 foram registados 50 furtos em interior de residência com arrombamento ou utilização de chave falsa. Mais dois do que em igual período de 2011. Contra pessoas, ocorreram três roubos por esticão nos primeiros dez meses do ano.

Os furtos de cobre, em montes isolados, e em interior de viatura - durante a época balnear - são outros crimes que preocupam as autoridades. "No geral, registamos no concelho menos 30 crimes, quando comparado com 2011", disse fonte da GNR.

DISCURSO DIRECTO - José A. Guerreiro, presidente da Câmara de Odemira

"TEMOS FALTA DE MILITARES DA GNR"

Correio da Manhã - Odemira é um concelho seguro?

José Alberto Guerreiro - Apesar da sua extensão, Odemira é um concelho seguro. Até aos dias de hoje, os indicadores não são preocupantes. Vivemos num território tranquilo.

- Quais os crimes que mais preocupam?

- Temos cada vez mais queixas de furtos em montes isolados. O roubo de cobre e ferro em residências que não estão ocupadas, e estão localizadas em zonas mais afastadas do centro, também está a crescer. Recentemente enviei ao ministro da Administração Interna um ofício a dar conta destas preocupações.

- O número de militares da GNR é suficiente?

- Não. Em São Luís, por exemplo, existe um militar, e em Sabóia três. A falta de militares da GNR no concelho de Odemira é uma das nossas maiores preocupações. Houve um reforço que não compensou a saída de outros.

cm