Direito à greve 'deve ser respeitado', mas 'não deixei de trabalhar'

O Presidente da República afirmou hoje que o direito à greve “deve ser respeitado”, mas acrescentou que em dia de paralisação geral decidiu trabalhar, reunindo com o homólogo colombiano para contribuir para um futuro com mais emprego e crescimento.
“O direito à greve dos trabalhadores está consagrado na nossa Constituição e deve ser respeitado. Mas apesar da greve, da minha parte não deixei de trabalhar reunindo com o senhor Presidente da República da Colômbia e fazendo o possível para com o fortalecimento das relações entre os dois países contribuir para que, no futuro, o crescimento do produto seja mais elevado (…) e que o desemprego seja menor do que aquilo que o INE hoje anunciou”, afirmou Cavaco Silva.
O chefe de Estado falava em conferência de imprensa no Palácio de Belém, ao lado do Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que hoje iniciou uma vista de Estado a Portugal.
“E como disse há pouco, isso [menos desemprego e mais crescimento] só pode ser conseguido por mais investimento privado, por mais comércio internacional, por mais investimento e por mais turismo. E é por isso que neste dia, que é de greve geral, e que nós respeitamos, eu estou aqui a trabalhar reunindo com o Presidente da República da Colômbia”, sublinhou, em resposta a questões dos jornalistas sobre os dados do desemprego e do PIB hoje divulgados pelo INE.

Fonte: Lusa/SOL