As Euribor acentuaram esta quinta-feira a trajectória de descida na generalidade dos prazos para mínimos de sempre, à excepção dos três meses em que interromperam a queda estabilizando e fixando-se nos 0,092%, face a quarta-feira.



Segundo a fixação da Federação Europeia de Bancos, por sua vez, a seis meses, a taxa interbancária que em Portugal serve de principal indexante ao crédito à habitação deslizou 0,001 pontos para os 0,357%, face ao dia anterior.

Se no prazo dos três meses a taxa de juro que é usada como principal indexante para o crédito às empresas interrompeu a descida e manteve-se inalterada nos 0,092%, já a nove meses acentuou o recuo (menos 0,002 pontos) quando comparada com a véspera, para os 0,472%.

A doze meses, a taxa de juro interbancária fixou-se em 0,584%, inferior em 0,001 pontos percentuais face ao dia anterior.

As taxas de juro interbancárias nos principais prazos estão actualmente em mínimos históricos.

As Euribor têm registado uma queda consistente desde há quase um ano, acompanhando a evolução da taxa de juro directora do Banco Central Europeu (BCE) que está também em mínimos de sempre, nos 0,75%.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de bancos está disposto a emprestar dinheiro a outros no mercado interbancário.

cm