O Instituto de Meteorologia (IM) sabia que o Algarve ia viver, na sexta-feira, uma situação meteorológica "perigosa e sensível". Mas manteve o alerta amarelo e só informou a Protecção Civil para chuva e ventos fortes até 70 km/h. Estranhamente, o tornado era anunciado em fóruns na internet uma hora antes de acontecer. Muitos danos e ferimentos mais graves podiam ter sido evitados. O Ministério da Administração Interna (MAI), apurou o CM, já exigiu um relatório para apurar possíveis falhas.



"A região sul estava ontem [anteontem] numa situação perigosa e sensível, mas não sabíamos se ia acontecer um fenómeno extremo como um tornado", assumiu ao CM a meteorologista Ângela Lourenço. Na dúvida, o IM entendeu não elevar o nível de alerta para laranja (o segundo mais grave numa escala de cinco). Apesar da forte possibilidade de um fenómeno anómalo com características extremas, a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) colocou meios em prontidão apenas "para a ocorrência de chuvas e ventos fortes e agitação marítima", segundo explicou ao CM João Verde, comandante adjunto de operações da ANPC.

Esta informação, que podia ter ajudado a minimizar muitos estragos e ferimentos mais graves, nomeadamente nos turistas que estavam dentro de autocaravanas, em Silves, foi transmitida à população apenas através de um comunicado colocado no site da ANPC, na noite anterior ao tornado, e enviado aos órgãos de comunicação social. Já sobre a previsão de um tornado que circulava nos fóruns da internet, o responsável da Protecção Civil referiu ao CM que "não se pode actuar com base em informações não oficiais".

Reais e oficiais foram os severos estragos que o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, viu ontem à tarde em Silves e Lagoa. Questionado pelo CM sobre os alertas do IM, o ministro assumiu apenas que os recebeu, mas "não para tornados", apenas para a "possibilidade de mau tempo".

FERIDOS GRAVES AINDA ESTÃO NO HOSPITAL DE FARO

Duas mulheres feridas com gravidade devido ao tornado que atingiu os concelhos de Lagoa e Silves continuavam ontem internadas no serviço de Urgência do Hospital de Faro. Uma terceira mulher, de nacionalidade holandesa, também ferida com alguma gravidade, já teve alta ontem de manhã.

De acordo com o Hospital, as duas mulheres, cuja identidade não foi revelada, estão "em observação e tratamento".

O fenómeno de ventos extremos que atingiu os dois concelhos algarvios provocou um total de 18 feridos, dos quais três com gravidade. Na maioria dos casos, as vítimas foram atingidas por telhas, pedras e outros objectos durante o tornado.

PREVISÃO APONTA PARA MELHORIA NO DIA DE HOJE

A depressão que deu origem ao mau tempo "está a deslocar--se para Espanha", de acordo com o Instituto de Meteorologia, pelo que a situação melhora já a partir da manhã de hoje. "Vamos ter menos vento, menos agitação marítima e espera-se que não chova", disse ao ‘CM' a meteorologista Ângela Lourenço.

cm