O combate aos roubos nas residências e por esticão são a grande prioridade da GNR de Águeda, que este ano viu o número de casos aumentar.



As vítimas são mulheres, na sua maioria idosas, e os alvos são o ouro e o dinheiro. A GNR pediu ajuda às juntas de Freguesia para alertar as populações e definiu a investigação como prioritária.

Na rua do Canto, os moradores não esquecem os três assaltos violentos de que foram vítimas duas idosas, quando estavam sozinhas em casa, no Verão passado. Dolores confessa que vive aterrorizada desde que a vizinha Esmeraldina, de 77 anos, foi roubada e agredida por dois encapuzados. A idosa foi atacada duas vezes em dois meses e abandonou a casa para ir viver com o filho.

Carlos Almeida tem bem presente na memória o assalto por esticão de que foi vítima uma mulher de 28 anos, quando caminhava na rua com o filho de três anos ao colo. Mãe e filho foram atirados violentamente ao chão por dois ladrões. Carlos e outros populares ouviram os gritos e perseguiram os ladrões, mas não os conseguiram apanhar. "Já não fomos a tempo", lamenta Carlos.

cm