O advogado do antigo guarda-redes do Flamengo, Bruno, está confiante na absolvição do futebolista, que começa a ser julgado amanhã por ter alegadamente mandado matar a modelo Eliza Samúdio.



Segundo o advogado, Rui Pimenta, nem sequer há provas de que o crime ocorreu. Para ele, a versão da polícia de que Eliza, que exigia de Bruno o reconhecimento de um filho, foi morta e esquartejada numa casa na região de Contagem é fantasiosa.

"Dêem-me um fio de cabelo, um pingo de sangue, alguma coisa que faça presumir que Eliza esteve naquele local", desafia Pimenta. A acusação alega que a modelo, de 25 anos, foi morta na casa pelo ex-polícia Marcos Aparecido dos Santos, a mando de Bruno. O corpo de Eliza nunca apareceu, e exaustivas perícias no local não detectaram qualquer indício de crime.

cm