Seguro acusa o Governo de 'iludir' os portugueses com recuo no IRS

O secretário-geral do PS, António José Seguro, acusou ontem o Governo de “iludir” os portugueses, acusando a coligação de ter feito “promessas falsas” antes e depois das últimas eleições legislativas.
“Os portugueses cumpriram e o Governo cumpriu com aquilo que prometeu aos portugueses? Eu já não falo das promessas falsas que fizeram na campanha eleitoral para iludir os portugueses e chegar ao poder, eu falo-vos das promessas que fizeram já como Governo”, disse, exemplificando com o recuo de 0,5% da sobretaxa de IRS anunciado esta semana.
António José Seguro centrou depois o discurso em Pedro Passos Coelho e lançou críticas ao primeiro-ministro sobre a derrapagem no défice orçamental.
“E o primeiro-ministro, já como primeiro-ministro, garantiu que se os portugueses fizessem esse sacrifício o défice orçamental seria de 4,5 por cento. Pergunto-vos, o défice vai ser de quatro e meio por cento? Não. Infelizmente para Portugal vai ser superior, vai ser de seis por cento”, declarou.
O dirigente socialista falava ontem à noite em Portalegre, no decorrer de um jantar com militantes e simpatizantes do PS, após ter estado, ao final da tarde, no centro daquela cidade alentejana a presidir à inauguração da nova sede da Federação Distrital do PS de Portalegre.
No discurso, o secretário-geral do PS continuou a apontar o dedo ao Governo, lamentando que estava previsto a dívida pública atingir “113 por cento no final deste ano, mas vai chegar aos 119 por cento” e para o ano vai “continuar a subir”, situando-se nos “124 por cento”.
Para António José Seguro estes são os resultados da governação, considerando que as consequências “ainda são piores”, uma vez que Portugal possui a taxa de desemprego “mais elevada da nossa história” e a economia continua a cair.
Perante este cenário, o líder do PS voltou a sublinhar que os portugueses “cumpriram, fizeram tudo aquilo que lhes foi exigido, mas o primeiro-ministro falhou”.

Fonte: Lusa/SOL