Ainda em choque, Maria Fernanda Cardoso, 72 anos, era ontem o rosto da desolação. Um incêndio destruiu por completo o seu apartamento, no quarto e último andar do nº 97 da avenida Almirante Reis, em Lisboa, e causou danos noutras habitações. O CM sabe que, após as primeiras perícias, a investigação da PJ aponta para uma falha da EDP – o fogo teve início num curto-circuito, escassos minutos após técnicos daquela empresa terem estado no local.



Há cerca de três dias que havia falhas constantes de electricidade naquele prédio. Ontem, os técnicos avisaram que as instalações de electricidade "ficavam em risco", contou ao CM António Cardoso, filho de Maria Fernanda.

Já fonte oficial da EDP confirma ao CM a presença dos técnicos, mas refere que "a coluna do prédio [onde existia a avaria] é da responsabilidade do proprietário" e diz que os moradores foram avisados de que deveriam contratar outra empresa. A EDP nega responsabilidades.

"Já vinha a fumaceira toda da marquise. Começou tudo a encher-se de fumo e a cair, nós já nem víamos o corredor", diz Maria Fernanda. Eram 13h50 quando a principal lesada estava no hall do 4º andar a conversar com uma vizinha. Viram o fumo e deram de imediato o alerta. O incêndio foi extinto por seis viaturas e 25 elementos dos bombeiros sapadores.

cm