Quando a mulher, na casa dos 50 anos, viu labaredas a saírem da sua janela, ainda correu desesperada até ao apartamento, no sexto andar, de um prédio de dez, em Faro, para tentar controlar o incêndio. No entanto, já não havia nada a fazer. Desceu minutos depois, enegrecida e intoxicada pelo fumo, já com a ajuda dos bombeiros. Para trás, ficaram os seus bens, destruídos pelas chamas, e o cão, morto.



Este foi o resultado do incêndio que deflagrou ontem, por volta das 13h15, no lote 21 da rua Engenheiro Adelino Amaro da Costa. O apartamento, onde vive um casal, estava vazio, mas vários vizinhos, que se encontravam nos andares superiores, viveram momentos de aflição ao serem obrigados a permanecer em casa, durante o combate ao fogo. Não houve feridos, mas duas pessoas necessitaram de receber apoio psicológico do INEM.

Segundo Rui Monteiro, morador no prédio ao lado, "o alerta foi dado por uma popular que passava de carro na altura e viu o fumo e as labaredas" a saírem do apartamento. "O casal estava fora de casa, mas a mulher e a filha de ambos estavam perto dali", explicou Rui Monteiro, que foi quem telefonou ao INEM, para socorrer as pessoas que ainda estavam no prédio.

O fogo foi extinto por volta das 14h00, mas, segundo Aníbal Silveira, comandante dos bombeiros sapadores de Faro, "não foi possível salvar nada do interior da habitação". No local, estiveram 14 bombeiros e quatro viaturas. A PSP investiga agora as causas do incêndio.

cm