A menina que no sábado foi entregue a uma advogada na Praia das Maçãs, em Sintra, para surpresa da população, e que foi encaminhada para o Hospital de Cascais, onde se encontra, poderá vir a ser confiada à causídica.

A decisão caberá ao Tribunal de Menores de Sintra.

"A lei prevê desde 2008 que os pais de uma criança a confiem a alguém de confiança. Os pais biológicos têm as responsabilidades parentais, mas a guarda e confiança fica entregue a outra pessoa", disse Teresa Villas, da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Sintra.

"Existe ainda o apadrinhamento civil, em que se promove o contacto com os pais", concluiu

cm