A passagem do tornado, na passada sexta-feira, pelos concelhos de Silves e Lagoa, provocou danos de mais de cinco milhões de euros. As contas provisórias foram ontem apresentadas pelos presidentes das duas autarquias ao ministro Adjunto, Miguel Relvas, e ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

Em Silves, os prejuízos dos privados ascendem aos 2,2 milhões de euros. Bem superiores aos públicos, que rondam os 1,7 milhões de euros. No município de Lagoa, os privados somam 1,1 milhões de euros de prejuízos e os danos públicos são de cerca de 350 mil euros.

Neste último concelho, as situações particulares de maior carência e sem qualquer seguro poderão vir a beneficiar de apoios sociais, referiu, após o encontro com os ministros, o presidente da Câmara, José Marques Eduardo. O apoio para alguns equipamentos públicos poderá vir de fundos comunitários. "O que me preocupa são os agregados familiares com mais dificuldades. Foram 242 moradias afectadas", explicou.

"Viemos solicitar apoios, através de um inventário dos prejuízos, mas para se ter apoios, é necessário haver mecanismos legais", referiu, por seu lado, o autarca de Silves, Rogério Pinto. O Governo prometeu criar, no concelho de ministros, amanhã, mecanismos jurídicos, para poder accionar a ajuda financeira.

Os ministros Miguel Macedo e Miguel Relvas não quiseram prestar declarações.

TRABALHOS DE LIMPEZA CONTINUAM

Os trabalhos de limpeza e recuperação das casas e estruturas danificadas pelo tornado prosseguem nos concelhos de Silves e Lagoa, envolvendo populares e funcionários dos dois municípios. Já não há operacionais da Protecção Civil no terreno, confirmou o responsável do Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro, Abel Gomes. No pico das operações, durante a tempestade, na tarde de sexta-feira, estiveram envolvidos 231 bombeiros algarvios, a que se juntou uma equipa de força especial de bombeiros, GNR e um grupo de reforço do distrito de Beja. A GNR e voluntários garantiram a segurança das casas danificadas até à chegada dos proprietários – há apenas registo de uma moradia assaltada, em Carvoeiro. A actuação dos voluntários e forças no terreno foi reconhecida pelos autarcas de Silves e Lagoa e ainda pelo bispo do Algarve.

"RAJADAS SUPERIORES A 200KM/H"

O tornado que sexta-feira atingiu os concelhos de Lagoa e Silves registou "rajadas superiores a 200 km/hora", disse ao CM Paulo Pinto, do Instituto de Meteorologia, que ontem estava a ultimar o relatório sobre o fenómeno. De acordo com o meteorologista, o tornado atingiu uma magnitude "entre F2 e F3 na escala de Fujita", que mede este tipo de fenómenos (vai de F0 (poucos danos) a F5 (danos impensáveis). O nível F3 corresponde a um tornado ‘severo’. "A escala baseia-se nos danos observados", explicou Paulo Pinto, segundo o qual o tornado, no seu trajecto "entre Carvoeiro e uma zona a Norte de Silves", foi "mais forte em Lagoa e Silves". E, frisou, "não se podia prever. Só o mau tempo".

cm