Um dirigente do FC Porto morreu, anteontem à tarde, no interior das instalações do clube azul e branco, no Estádio do Dragão. Mesquita Alves era director da Porto Comercial – empresa que integra o grupo portista – e foi encontrado prostrado, após um tiro de revólver. Não terá havido intervenções de terceiros.



Ao que o CM apurou, tudo aconteceu cerca das 15h00, altura em que foi dado o alerta, com o INEM a acorrer, de imediato, ao recinto portista. Porém, já nada havia a fazer por parte da equipa médica: o óbito de Mesquita Alves foi declarado no local do disparo, que terá ocorrido numa das casas de banho do Estádio do Dragão.

Chamada foi também a Polícia Judiciária do Porto, que não encontrou indícios de crime, mas a autópsia será determinante para se conhecer com exactidão o que aconteceu.

O dirigente dos azuis e brancos ocupava, há vários anos, o cargo de director-geral da Porto Comercial. Descrito por amigos próximos como pessoa reservada, chegou a aparecer em conferências de imprensa, esporadicamente, para apresentações de novas colecções do clube – casos de equipamentos, cachecóis e outros tipos de merchandising – ou divulgação de acordos do clube a nível empresarial.

Homem de negócios, era uma pessoa mais próxima de Angelino Ferreira – administrador da FC Porto SAD com a pasta financeira – e esteve também ligado ao processo que levou à participação do clube na Superleague Formula – corridas de automobilismo disputadas entre grandes clubes europeus de futebol.

A morte de Mesquita Alves deixou em choque os funcionários da sociedade portista que partilhavam o local de trabalho com o director da Porto Comercial.

cm