O polícia norte-americano que foi detido em Outubro, após uma investigação interna do Departamento de Polícia de Nova Iorque, por planear raptar, matar, cozinhar e comer uma mulher no jantar de Acção de Graças, vai aguardar julgamento em prisão preventiva.



Assim ficou decidido na audiência preliminar desta quarta-feira, ficando o início do julgamento marcado para 22 de Janeiro de 2013. Está acusado de conspiração para cometer rapto, que pode valer uma pena de prisão perpétua, e ainda de acesso ilegal a dados pessoais.

Baptizado pelos tablóides norte-americanos como 'Polícia Canibal', Gilberto Valle, de 28 anos, aproveitou-se do seu acesso às moradas de pessoas para fazer uma base de dados de mulheres, alegadamente destinada a escolher a vítima do seu crime.

A advogada de defesa disse que o agente da autoridade tinha apenas fantasias "doentias" e "perturbadoras", mas nunca terá feito nada para as concretizar.

No entanto, o Ministério Público de Nova Iorque divulgou uma troca de mensagens online com um amigo, na qual Gilberto Valle escreveu que queria "carne de moça" para o jantar de Acção de Graças e que sabia onde a sua vítima morava.

Segundo o 'New York Daily News', a mãe do 'Polícia Canibal' esteve presente na sala de tribunal e disse-lhe para "manter-se forte".

cm