Sindicatos, movimentos sociais, agricultores e estivadores vão concentrar-se na terça-feira junto à Assembleia da República para contestar a aprovação do Orçamento do Estado (OE) para 2013.



No dia em que o OE para 2013 é votado na Assembleia da República, a central sindical CGTP tem marcada uma manifestação para as 10:00 em três pontos de Lisboa - Jardim da Estrela, Rato e Santos - rumo ao parlamento.
O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, apelou à participação de "todos os que são vítimas da política de austeridade, exploração e empobrecimento do Governo PSD/CDS".

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) também vai manifestar-se contra a aprovação do OE e agendou uma concentração junto à Assembleia da República, com a qual pretende também mostrar que rejeita as "más perspectivas orçamentais" da União Europeia para a agricultura nacional.

Também os movimentos sociais e activistas já apelaram à mobilização dos cidadãos para a próxima terça-feira, para se manifestarem contra a aprovação do Orçamento do Estado.

Associação de Combate à Precariedade, Precários Inflexíveis, Indignados de Lisboa, Marcha Mundial das Mulheres, Movimento de Alternativa Socialista, Movimento Sem Emprego, Panteras Rosas, PCTP/MRPP, Plataforma 15 de Outubro, Recreativa dos Anjos, SOS Racismo e Socialismo Revolucionários são alguns dos movimentos sociais que confirmaram presença no protesto junto ao parlamento.

Numa conferência de imprensa realizada na última semana para condenar a carga policial da manifestação de 14 de Novembro, dia da greve geral, representantes destes movimentos sociais afirmaram esperar "uma grande mobilização" na próxima terça-feira e apelaram aos portugueses para que "não tenham medo", porque vão protestar na rua "de forma pacífica contra as medidas de austeridade".

Também o Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul já anunciou que vai estar presentes na manifestação.

Associações de militares e o Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) anunciaram que vão assistir nas galerias da Assembleia da República à votação final do OE para o próximo ano.

Na última concentração realizada junto ao parlamento, a 14 de Novembro, e após uma manifestação da CGTP, dezenas de manifestantes atiraram pedras a polícia durante mais de uma hora e esta respondeu com uma carga policial.

Dos confrontos resultaram nove detidos, 21 pessoas identificadas e 48 feridos, dos quais 21 elementos da PSP.

cm