Depois de duas madrugadas de relativa tranquilidade, em que 'apenas' duas pessoas foram mortas de quinta para sexta-feira e cinco de sexta-feira para sábado, a região metropolitana da cidade brasileira de São Paulo voltou a viver uma onda de terror na madrugada de sábado para domingo. Pelo menos 15 pessoas foram assassinadas e outras 23 ficaram feridas.



Os crimes ocorreram em São Paulo e nas cidades satélites de São Bernardo do Campo, Diadema e Osasco. De acordo com os relatórios da Polícia Militar, quase todas as mortes tiveram características de execução, com homens a chegarem inesperadamente de mota perto de grupos que estavam na rua ou em bares e dispararam indiscriminadamente contra as vítimas.

Um desses casos ocorreu em Osasco, populosa cidade no extremo oeste da capital paulista. Desconhecidos apareceram não se sabe de onde empunhando armas e dispararam aleatoriamente para dentro de um bar onde várias pessoas bebiam e conversavam. Cinco morreram e outras seis ficaram feridas.

Em são Bernardo do Campo, no extremo sul da capital paulista, mais cinco pessoas foram assassinadas em ruas diferentes num curto espaço de tempo, quatro a tiro e a quinta à facad. Na vizinha cidade de Diadema, mais três que estavam perto de um bar foram atingidas por tiros disparados por desconhecidos que, tal como nos demais casos, chegaram e fugiram de mota.

Apenas duas das mortes ocorreram em confronto com a polícia, desta feita no bairro de Aricanduva, zona leste de São Paulo. De acordo com a versão dos polícias, que vai ser investigada, os dois homens tentaram assaltar uma residência e, ao serem surpreendidos pelos agentes, reagiram a tiro e acabaram por ser abatidos.

cm