Continua envolta em mistério a execução a tiro de uma mulher de 80 anos, em Coimbra. A PJ do Centro tem no terreno todos os inspectores da secção de homicídios e está cada vez mais próxima de chegar ao autor.



Filomena Gonçalves foi atingida com 13 dos 14 disparos feitos, a média distância, pelo homicida. O corpo foi encontrado crivado de balas, quarta-feira à noite, por familiares que estranharam o facto de aquela não atender o telefone. O homicida usou uma pistola semiautomática, de calibre proibido (nove milímetros). Antiga comerciante do mercado municipal, Filomena era, apesar da idade, uma pessoa "muito activa".

cm