O escritor português Valter Hugo Mãe venceu segunda-feira o Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura, com o romance ‘A Máquina de Fazer Espanhóis’, entregue ao início da madrugada em São Paulo.



"Eu escrevia desde pequeno, mas nunca achei que poderia ganhar coisa nenhuma", afirmou o escritor, ao receber o prémio. "Agradeço por poder me sentir mais perto, não só mais perto de vocês, mas, se calhar, mais perto de mim", completou.

O Prémio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, que nesta edição completou 10 anos, distribuiu-se pela primeira vez pelas categorias Poesia, Romance e Conto/Crónica e incluiu um Grande Prémio.

Segundo a curadora do prémio, Selma Caetano, a mudança é um "presente de aniversário", que deixou o premio "mais preciso".

Selma Caetanolembrou que a grande maioria dos participantes são brasileiros e fez um apelo para que mais livros produzidos em África e em Portugal sejam também publicados no Brasil. Este ano, entre os 12 finalistas, havia dois portugueses: Valter Hugo Mãe e Gastão Cruz.

O artista multimédia brasileiro Nuno Ramos foi o vencedor do prémio na categoria poesia, com a obra "Junco".

O poeta foi o vencedor do Grande Prémio em 2009, com o livro "Ó". Os outros finalistas foram "Escarpas", do poeta português Gastão Cruz, "Vesúvio", de Zulmira Ribeiro Tavares, e "Da arte das armadilhas", de Ana Martins Marques.

Na categoria Romance, o vencedor foi Valter Hugo Mãe, com "A máquina de fazer espanhóis". Os quatro finalistas tinham em comum a abordagem da autoficção, ou seja, do uso de alguma experiência real para basear a obra.

cm