Bateram-me à porta de madrugada, eram dois polícias. Disseram que a minha mãe tinha sofrido um acidente de carro e que estava no hospital de Almada. Corri para casa da minha irmã e, mal cheguei, soube que a minha mãe tinha morrido", conta ao CM Telmo, 19 anos, filho de Helena Neves, 53, com quem vivia em Campolide, Lisboa.



O jovem foi acordado com a notícia do acidente da mãe – que ontem ao início da madrugada, cerca das 00h30, aguardava dentro do carro – parado na berma da estrada, na A2, no Feijó, Almada – que um reboque lhe fosse buscar o seu veículo avariado, quando outra viatura a colheu violentamente.

Maria Helena, cabeleireira, ficou esmagada dentro do veículo Skoda. Morreu no local. A condutora do outro automóvel, de 53 anos, sofreu ferimentos graves e foi levada para o hospital.

A colisão ocorreu pouco depois das 00h30, ao km 8,2, sentido Sul-Norte. "A minha mãe já tinha chamado o reboque. Teve uma avaria. Estava dentro do carro à espera quando outro veículo bateu no dela. Regressava da Margem Sul, onde foi visitar um amigo", conta Telmo, o mais novo de três filhos da vítima.

Ao que apurou o CM, a condutora de um ligeiro de mercadorias terá sofrido um ataque cardíaco quando conduzia – perdeu o controlo do Peugeot e chocou com o Skoda onde Helena esperava por assistência. O corpo foi levado para o Instituto de Medicina Legal de Lisboa.

cm