O mau tempo e a greve dos trabalhadores portuários obrigaram ao cancelamento de um terço do número de cruzeiros previstos este ano para Portimão. Em termos económicos, as perdas ultrapassam um milhão de euros, apurou o CM. A quebra fez com que o número de escalas, em 2012, seja metade das recebidas no ano passado.



O porto algarvio tinha programadas 45 escalas de navios de cruzeiros, mas só 30 se concretizaram. Oito foram canceladas devido à greve dos trabalhadores portuários e sete por causa do mau tempo.

No total, Portimão perdeu cerca de 14 a 15 mil turistas de cruzeiros. Segundo um estudo do European Cruise Council de 2012, o gasto médio por passageiro é de 62 euros em cada região onde os navios fazem escala, pelo que o prejuízo directo para a economia algarvia ronda os 900 mil euros.

A somar a tudo isto, devem ser contabilizados os gastos em taxas portuárias e proveitos indirectos que resultariam da vinda desses turistas, o que faz disparar o prejuízo total para mais de um milhão de euros.

Em comparação com o ano passado, Portimão recebeu metade dos navios de cruzeiros, sendo o único porto nacional a registar uma diminuição no corrente ano. Para 2013, estão já marcadas 56 escalas. Segundo um estudo da Câmara de Portimão, o porto local podia mais do que quintuplicar o número de turistas de cruzeiros mas seria necessário efectuar obras e adquirir um rebocador. Investimento que ronda os 10 milhões de euros.

O estudo aponta como prioritário o prolongamento do cais de 300 para 770 metros (obra que seria contrapartida da concessão da Marina de Ferragudo, mas esse projecto ainda não avançou), bem como a dragagem do canal de navegação e da bacia de manobras.

cm